Informe Publicitária

Informe Publicitária

sexta-feira, 29 de maio de 2015

DROGAS, POPULISMO LEGISLATIVO E O MITO DA SEGURANÇA PÚBLICA GRÁTIS

A política criminal repressiva contra as drogas, iniciada com a “guerra” declarada por Nixon em 1971 (nos EUA), é um dos maiores fracassos mundiais na era da globalização. Não há comprovação científica (em nenhuma parte do mundo) de que essa política tenha diminuído a oferta ou a procura por essas substâncias. Ao contrário, a era tecnológica facilitou seu processamento (diariamente surgem novas drogas no mercado), suas vendas e sua disseminação pandemônica. 
Os países que conseguiram algum sucesso preventivo nessa área (Portugal é paradigmático) combinaram a política de redução de danos (oferta controlada da droga) com a descriminalização (o porte para uso foi retirado do campo penal). Durante várias décadas os EUA seguiram sua linha dura de guerra contra as drogas. Nenhum sucesso foi alcançado. Agora já estão mudando o enfoque: cinco Estados (Washington e Colorado, por exemplo) já autorizaram a comercialização livre da maconha. Em mais de 20 Estados ela é vendida para fins medicinais (Califórnia, por exemplo).
As drogas são maléficas para a saúde (assim como o álcool, o tabaco, o açúcar etc.). As ciências médicas tornaram isso indiscutível. Mas esse não é o único consenso em torno delas: o outro é que a guerra repressiva (decretada em 1971, por Richard Nixon) fracassou redondamente, sobretudo nos países em desenvolvimento, com instituições capengas, onde o império da lei é precário ou praticamente nulo. 
Desde 1940 acredita-se na magia descabelada de que o aumento do rigor penal (nos textos legais) é tudo que o País necessita. Mesmo as sociedades maduras não têm se livrado desse pernicioso populismo penal (fundamentalmente midiático e legislativo). Preferimos a ilusão legislativa e esquecemos por completo a certeza do castigo (que já era reivindicado por Beccaria, em 1764, como o caminho correto).

PREFEITO ALEXANDRE ARRAES PARTICIPARÁ DE REUNIÃO EM BRASÍLIA PARA APROXIMAR A FACULDADE DE MEDICINA DE ARARIPINA DA REALIDADE

Imagem Ilustrativa

O MEC enviou uma correspondência para o prefeito Alexandre Arraes (PSB), o convidando para uma reunião na Secretaria de Regulamentação e Supervisão da Educação Superior (SERES) a fim de discutir os próximos procedimentos a serem adotados no sentido de possibilitar a chegada de uma instituição de ensino do curso de Medicina, em sintonia com o poder público, essa realidade está mais próxima de ser concretizada.
“Ampliar a oferta de ensino superior proporciona uma mudança efetiva no desenvolvimento local, sobretudo na qualificação do material humano, maior patrimônio que possuímos. Acreditamos que com o curso de Medicina implantado na nossa cidade poderemos, além de formar médicos em Araripina, melhorar substancialmente a qualidade dos serviços de saúde pública no município. Iremos continuar lutando intensamente por esta conquista!”, explicou o prefeito Alexandre Arraes.
O gestor viaja à Brasília já no dia 2 de junho e trará na bagagem as orientações do Ministério da Educação para prosseguir com os trabalhos. Araripina cumpriu a primeira etapa e com isso se credenciou para este encontro no Ministério da Educação, a próxima etapa é a visita dos técnicos à nossa cidade.
Vale a torcida de todos para que a cidade logre êxito neste marcante projeto, consolidando de vez a sua condição de Polo de Desenvolvimento e que o trabalho faz a diferença.
Com Informações da Assessoria de Comunicação Estratégica

SALÁRIOS NAS CONTAS E RETROATIVO DOS PROFESSORES MUNICIPAIS

Cuidar de manter a regularidade do pagamento de cada servidor municipal, tem sido um objetivo constante da atual gestão.

Nesta quinta-feira (28) a Prefeitura de Araripina, através do Departamento de Recursos Humanos viabilizou o pagamento dos servidores lotados nas seguintes secretarias:

Secretaria de Educação, com pagamento para todos os efetivos e comissionados, todos os professores e para estes a 1ª parcela correspondente ao retroativo de janeiro.

Todas as Secretarias da sede e ainda:

Secretaria de Desenvolvimento Social – Efetivos e comissionados.
A valorização do servidor refletida na extrema pontualidade do pagamento de seus vencimentos, com efeito o maior instrumento de motivação para as diversas categorias, espalhadas em todo município.

“Vamos continuar a nossa missão, com trabalho, com vontade e procurando fazer o melhor para os araripinenses a começar por aqueles que nos ajudam na incumbência de fazer uma cidade melhor, nossos colaboradores” afirmou o prefeito Alexandre Arraes, quando da remessa dos pagamentos acima citados.

Assessoria de Comunicação Estratégica - ACE

PUBLICIDADE


NUNCA INTERFIRA COM SEU ADVERSÁRIO QUANDO ELE ESTIVER OCUPADO EM SE AUTODESTRUIR


Francisco Ferraz

Este é um princípio estratégico básico, até óbvio quando enunciado, mas chega a ser surpreendente a quantidade de vezes em que ele é desrespeitado nas campanhas eleitorais.

Numa campanha eleitoral, há centenas de fatores que podem fazer uma candidatura entrar em crise, a começar pelos próprios candidatos que, com surpreendente regularidade, "dão tiros nos próprios pés".

Um exemplo disso foi a declaração de Walter Mondale, em 1984, durante seu discurso de aceitação da candidatura do Partido Democrático à presidência dos EUA, se eleito "iria aumentar os impostos". Com esta frase destruiu as chances de sua candidatura.

Certa vez, tive que gastar muito tempo e esforço para convencer um candidato que a declaração de que tanto se orgulhava - "Nossa cidade precisa tomar um remédio amargo" - não só não ajudava, como transformava-o num porta voz de más notícias para os eleitores.

quinta-feira, 28 de maio de 2015

O JEITO É REZAR: COM DIVIDAS TRABALHISTAS, BODE DO ARARIPE PODE NÃO PARTICIPAR DO CAMPEONATO PERNAMBUCANO SERIE A2

O presidente do Araripina Futebol Clube tornou público em sua linha do tempo no Facebook que o clube pode até não participar do Campeonato Pernambucano da Serie A2 devido alguns bloqueios na conta devido dívidas trabalhistas com ex-atletas que chegam a R$ 126 mil reais.

Na integra, o post de Ted Alencar no Facebook:
Bom dia bodeiros e bodeiras!!

Bom a coisa não anda muito fácil para nós...
Ontem(27/05) fui informado de mais um bloqueio judicial trabalhista, agora em nome do jogador Danilo Lins, que também jogou aqui em 2012. Valor esse de R$ 86.000,00 (oitenta e seis mil reais)...

Com esses dois bloqueios (Jaime e Danilo Lins R$ 40 mil), fica praticamente inviabilizado nossa participação no 
Campeonato Pernambucano - Série A2 de 2015. Estou triste por que infelizmente caiu na minha gestão valores tão altos... Ainda vou tentar buscar soluções simplesmente por que sei do amor do torcedor pelo clube, mais nossa situação complicou bastante.

Na verdade precisamos pagar esses débitos e ajustar as contas do clube para que o mesmo ande com suas próprias pernas.

Em breve divulgarei nossa decisão, que será técnica e responsável.


Ted Alencar – presidente do Araripina Futebol Clube

É torcer para que mais esse desafio seja superado e definitivamente acabe com as especulações pessimistas que o Bode não participará do Pernambucano 2015.

DEPUTADOS APROVAM FIM DA REELEIÇÃO PARA PRESIDENTE, GOVERNADOR E PREFEITO

Os deputados aprovaram com ampla maioria, o fim da reeleição para presidente da República, governador e prefeito. Foram 452 votos a favor, 19 contra e uma abstenção.

No texto aprovado pelos deputados, a nova regra de término da reeleição não valerá para os prefeitos eleitos em 2012 e para os governadores eleitos em 2014, que poderão tentar pela última vez uma recondução consecutiva no cargo. O objetivo desse prazo para a incidência da nova regra foi obter o apoio dos partidos de governantes que estão atualmente no poder.

Durante a votação em plenário, os líderes de todos os partidos orientaram que os deputados das bancadas que votassem a favor do fim da reeleição.
Agência Câmara 

COMO DIZ O VELHO TOCA DO VALE: “PARABÉNS MAGAYVA”

O aniversariante do dia é Macgayver Lima - presidente da Liga Araripinense de Desportos e diretor da Secretaria Municipal de Esportes de Araripina.

Que Deus continue te abençoando e te usando para praticar suas ações de caridade e amizade aqui na terra. Parabéns, que a evolução seja constante e pra sempre na sua vida. 

Parabéns e obrigado por está sempre colaborando com noticias de interesse principalmente do público consumidores de entretenimentos e esportistas.

Desejamos o melhor sem limites, são os pensamentos de todos os colaboradores do Blog Casa de Abelha!

INVESTIGAÇÃO APONTA LAVAGEM DE DINHEIRO, FRAUDE E CORRUPÇÃO NA FIFA

Autoridades da Suíça deram uma batida na ultima quarta-feira (27) em um ninho de ratos e prenderam várias autoridades do futebol mundial. Todos acusados de participar de um esquema de corrupção que já dura 20 anos e movimentou bem mais US$ 100 milhões. A ordem de prisão foi da polícia dos Estados Unidos, todos serão extraditados para o país americano.
Muitos dos corruptos e ladrões que fazem mal ao futebol foram presos. Inclusive um dos maiores do país, que se chama José Maria Marin. Um dos ratos que venho denunciando há muito tempo. Esta foi a pessoa que ao lado da presidente Dilma recebeu chefes de Estado em plena Copa do Mundo do futebol.
Essa operação poderia ter sido realizada aqui, já no ano passado, porque assim emendaríamos a vergonha dos campos com a vergonha da corrupção. Mas certamente o aparato de segurança aqui deve ter sido muito grande. Na Suíça, um país de primeiro mundo, em um hotel com vista para os Alpes Suíços, eles deveriam estar confortáveis e despreocupados. Infelizmente não foi a nossa polícia que prendeu, mas alguém tinha que fazer um dia. Então, parabéns ao FBI e a polícia Suíça.
Texto do Senador Romário (PSB-RJ)


FINANCIAMENTO DE CAMPANHA: CÂMARA APROVA DOAÇÕES DE EMPRESAS PARA PARTIDOS

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou na ultima quarta-feira, por 330 votos a 141 e 1 abstenção, o financiamento privado de campanhas com doações de pessoas físicas e jurídicas para os partidos políticos e com doações de pessoas físicas para candidatos. O texto aprovado é uma emenda à reforma política (PEC 182/07) apresentada pelo líder do PRB, deputado Celso Russomanno (SP), que atribui a uma lei futura a definição de limites máximos de arrecadação e dos gastos de recursos para cada cargo eletivo.
Pela emenda, o sistema permanece misto – com dinheiro público do Fundo Partidário e do horário eleitoral gratuito – e privado, com doações de pessoas e empresas.
A aprovação da emenda ocorreu em meio a protestos de deputados do PCdoB, do PT, do Psol e do PSB. Esses partidos avaliaram que houve uma manobra para reverter a derrota imposta na terça-feira pelo Plenário às doações de empresas às campanhas. Os deputados rejeitaram a emenda que autorizava as doações de pessoas físicas e jurídicas para candidatos e partidos.
Agencia Câmara

quarta-feira, 27 de maio de 2015

REFORMA POLÍTICA PREPARA VITÓRIA DO PT-PMDB EM 2018

Se o fim do estilo fisiológico e cleptocrata de governar do PT e do PMDB depender da reforma política que está em discussão no Congresso Nacional, nada vai mudar. Ela é o retrato perfeito de uma dupla alienação: (a) das oposições (que não conseguem o apoio majoritário das massas: o PSDB foi refutado nos protestos de 15/3, só tem 6% da simpatia do eleitorado pelo partido e não ataca a troyca que está governando de fato: Renan, Cunha e Temer); (b) das classes dominadas (as que não governam o País e que ignoram ou odeiam a política e os políticos). Os grupos hegemônicos (PMDB-PT, apoiados por grandes empresas e bancos) estão preparando o terreno para suas reeleições em 2018. É a perpetuação no poder dos políticos profissionais (Renan, Cunha, Lula, Dilma, Temer, Collor etc.) que compõem essa aliança.
A reforma está se convertendo em puro leopardismo eleitoral (“é preciso que tudo mude para que tudo fique como está”, como diria personagem de Tomasi di Lampedusa – 1896-1957). O andar de cima governa como governa, inclusive cleptocratamente (com roubalheiras), porque conta com a nefasta complacência tanto da pequena burguesia somada às classes intermediárias (que, baseadas em seus critérios de meritocracia querem distância da “imundície” fétida da política) como das classes populares (subalternas e marginalizadas), que não têm a mínima noção do que se está discutindo (a ignorância é feliz; a consciência crítica é que gera tristeza).
As forças dominantes jogam com duas possibilidades: 1ª) não aprovar nada (com tanta polêmica entre eles pode-se não chegar a nenhum consenso e aí as coisas ficam como está); fundamental para essa hipótese é a conivência de Gilmar Mendes com a bandalheira do financiamento empresarial; 2ª) aprovar somente o que interessa para a continuidade no poder: “distritão” (eleição majoritária para deputados e vereadores: os mais votados são eleitos, sem coligações) com financiamento empresarial aos partidos; de quebra um ou outro remendo como o fim da reeleição nos cargos de Presidente, Governador e Prefeitos.
O que conquistamos, com a redemocratização (1985), foi apenas a democracia eleitoral (possibilidade de votar a cada quatro anos), fortemente viciada pelo dinheiro e pela corrupção das bandas podres das classes poderosas que financiam e compram os políticos para a defesa dos seus exclusivos interesses (formando assim esdrúxulas bancadas dentro do Congresso: da bala, do boi, da bíblia, do bife, das bebidas, dos bancos, das betoneiras – empreiteiros -, da buraqueira mineradora etc.). Estamos longe de uma decente democracia cidadã (que pressupõe o fim da desigualdade extremada assim como respeito aos direitos de todas as classes sociais). No Brasil o poder é muito concentrado e está nas mãos de poucos, que constituem uma casta, uma elite, que manda e desmanda com o poder do seu dinheiro.
A reforma política em andamento constitui uma ofensa ao povo brasileiro que, alienado em termos políticos (ora por ignorância, ora por ódio à política), não move uma palha para promover grandes mudanças. A força de alguns movimentos sociais atuantes (CNBB, OAB, MCCE etc.) é um pingo d’água no oceano da depravação político-econômica. Somos um povo que está ficando craque em protestar (isso já constitui uma virtude, não há dúvida), mas que não sabe converter a indignação da massa em movimentos políticos transformadores (como está fazendo o Podemos na Espanha, por exemplo).
O maior equívoco do Tiririca, além dele próprio como político, foi dizer que “pior que está não fica”. Com a reforma política projetada o risco enorme é de que tudo ficará pior. Não se mexe na estrutura do poder, não se estimula o fim da alienação do povo (que quer distância da consciência crítica). Os políticos profissionais agradecem penhoradamente essa alienação da massa que não se empenha por mudanças (a massa é, cada vez mais, “ali-é-nada”). A casta anda de costas para a população e a população vive de joelhos ou às cegas frente às castas governantes. Não existe terreno mais fértil para o fracasso coletivo. Nessa toada, não será tarefa fácil tirar o Brasil do atoleiro do semi-desenvolvimento.

O NOME PRA QUEM SOFRE DE TRANSTORNO DA PERSONALIDADE E MAU HUMOR CRÔNICO É DISTIMIA

A Medicina Legal e a Psiquiatria nos apresenta diversos tipos de transtornos da personalidade, uns mais graves outros menos; desta feita iremos discorrer acerca de um que muita gente nem imagina tratar-se de doença, mas sim, apenas uma forma crônica de mal humor que possuem alguns indivíduos.
Com Certeza, a maioria de nós em algum momento da vida, já se deparou com alguém assim, ou teve o “desprazer” de trabalhar ou conviver com quem sofre de “mal humor crônico”.
No entanto não se trata apenas de “mal humor crônico, ou instabilidade emocional” como alguns querem crer, o nome disso é Distimia, é um transtorno psicológico e portanto uma doença que pode evoluir, inclusive, para uma depressão. Há que se respeitar.
Aqui no nordeste é difícil conhecer alguém que nunca tenha ouvido falar de “Seu Lunga” (o homem mais bruto e ignorante do mundo). Cearense, de Barbalha, falecido em novembro de 2014 aos 87 anos; conhecido, praticamente no Brasil todo, pela “tolerância zero” que tinha para “perguntas e diálogos bestas”, ou “ignorância alheia” como ele mesmo dizia. Personalidades assim, ou fazem parte da vida do indivíduo ou tem a ver com um fundo psicológico mais para o doentio.
A distimia corresponde a uma alteração crônica do humor, mas que não preenche os critérios necessários para ser considerada um quadro depressivo. Os pacientes com distimia apresentam uma alternância entre períodos de depressão e períodos em que se sentem relativamente bem. Na maioria do tempo, entretanto, sentem-se deprimidos, preocupados excessivamente e sobrecarregados; tudo é um esforço, e nada basicamente é desfrutado; apresentam pouca energia e pouca disposição, sentem-se cansados, com mau humor e irritados em graus variáveis; não obstante, são capazes de lidar com as exigências do dia a dia, como as responsabilidades domésticas e profissionais, mas sofrem uma queda na qualidade de vida.
Os estudos científicos demonstram que a distimia aumenta consideravelmente o risco de depressão. Uma pesquisa realizada por Akisal mostrou que 90% dos pacientes com distimia evoluem para um episódio de depressão maior. A maioria destes pacientes sequer sabe que está doente e que poderia ganhar qualidade de vida se estivesse em tratamento.
Elane Souza Advocacia & Consultoria Jurídica
Advogada
Advogada em Recife-PE e Caucaia-CE "part time", além disso, uma eterna estudante do Direito. Atuante nas áreas de Direito Administrativa, Empresarial, Família e Consumidor (preferencialmente). site: http://endireitando-o-pensamento.webnode.com/ .., email:elanesouzaferreira@hotmail.com

LEGALIZAÇÃO DA MACONHA, VOCÊ É CONTRA OU A FAVOR?


Já há muito que se vem discutindo esse tema no Brasil. Alguns países já descriminalizaram e ao que parece as condições sociais dos usuários melhorou enquanto que o uso até diminuiu. Um exemplo é o Uruguai: após regulação da maconha, mortes por tráfico chegam a zero. A afirmação é do secretário nacional de drogas do Uruguai, que participou de um debate no dia 02 de junho de 2014 na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado. A legalização no país foi decretada pelo presidente José Mujica havia menos de um mês quando do debate (jun.2014).
Após legalização no Colorado (EUA), o número de adolescentes usuários de maconha diminuiu. Estudo do Departamento de Saúde Pública do Colorado indica uma redução no número de adolescentes que experimentaram a droga após a legalização
Em Portugal o uso da maconha (cannabis Sativa) é descriminalizado, todavia ainda é uma infração administrativa; na Holanda bares e discotecas é liberada a venda para “nativos” e residentes até uma certa quantia.
Legalizar vai reduzir a violência associada às drogas, fruto danoso da sua proibição. A legalização não virá por decreto, mas num processo de discussão da sociedade sobre normas de convivência.
Nos lugares em que programas de redução de danos e/ou descriminalização do usuário foram aceitos, o uso de drogas não aumentou, aumentando sim a demanda por orientação e ajuda, sinal de que podemos avançar e criar formas solidárias e democráticas de convivência com as drogas.
A opinião que tenho é a mesma que teria com a “descriminalização” do Tabaco e do álcool se esses fossem proibidos. A questão é o lívre arbítrio de cada um. Nunca fumei e nunca bebi, no entanto convivi com os dois tipos de vícios e sempre os detestei, mas nem por isso detestava quem se valia desses vícios para “ser mais feliz”. Quem não quer se drogar não se droga e ponto! Logo, quem deseja fazê-lo irá fazê-lo sendo proibido ou não. As pessoas são assim, é fato. Apesar de existirem muitas “Maria vão com as outras”, a maioria das pessoas tem opiniões próprias e não seguem “a multidão” como “boiaba”.
Por outro lado, se houver, comprovadamente, fins medicinais para a cannabis sativanão vejo porque já não tenha sido descriminalizada (autorizada) para esse tipo de uso.

Recente reportagem do G1 entrevistou alguns jovens do Rio e Porto Alegre e ficamos com as seguintes opiniões:

PAMELA, 18 ANOS
A jovem Pamela Cristina Santana Pinto mora no bairro de Americanópolis, na Zona Sul, e, além de cursar o ensino médio no período noturno, participa de um curso de audiovisual e um grupo de teatro. Seu objetivo é fazer faculdade de artes cênicas. Filha mais velha de uma família de quatro irmãos, Pamela tem personalidade forte e não tem medo de dizer o que pensa.
Ela diz que não fuma maconha, mas é a favor da legalização, "porque não vai fazer diferença nenhuma" no caso das pessoas que fumam por diversão, mas vai facilitar a vida de quem precisa de remédios feitos a partir da cannabis sativa. "O que não pode é deixar outras pessoas tarem morrendo por egoismo dos outros", diz ela.
GABRIEL, 19 ANOS
Gabriel Bueno é estudante de engenharia civil em Campinas, trabalha em uma empresa de transporte e logística em Louveira e mora em Valinhos. O adolescente tem como interesse principal a política, e atualmente é coordenador municipal do Movimento Brasil Livre (MBL) em Valinhos. Torcedor do Guarani, Gabriel pretende ser engenheiro autônomo, e não pensa em seguir carreira acadêmica na política.
O jovem diz que não fuma maconha e é contra a legalização da droga no Brasil. Ele afirma que seus pais também têm a mesma posição e, se um dia tiver filhos, pretende transmitir a mesma educação que recebeu. "Enquanto não houver estudos que comprovem benefícios da maconha, vou falar pra ele não experimentar, não usar esse tipo de substâncias."
VICTOR P., 18 ANOS
O estudante Victor Pereira é aluno de um cursinho popular na Cidade Universitária, na Zona Oeste de São Paulo, e mora com a família em Barueri, na Grande São Paulo. Ele pretende cursar pedagogia e sua primeira opção é o vestibular da Fuvest. Militante do coletivo Rua - Juventude Anticapitalista, Victor se aproximou da militância depois de ser vítima de um episódio de homofobia e bullying na sua escola.
Neste sábado, ele diz que estará na Avenida Paulista para a Marcha da Maconha, que ele ajudou a construir. Segundo Victor, na primeira vez que ele viu alguém fumando maconha, ele achou "um absurdo", e achou que a pessoa acabaria com sua vida. Mas ele mudou de ideia, e afirma que "a lei de drogas totalmente fracassou" e é "racista", pois, dependendo do bairro e do poder aquisitivo da pessoa pega com a droga, o tratamento vai ser diferente.
MARIA CLARA, 18 ANOS
A jovem mora em São Bernardo do Campo e, atualmente, tem os dias cheios. Além de trabalhar no processo de certificação de qualidade de uma empresa de cromação, ela também estuda produção multimídia. Ligada em redes sociais, Maria Clara Costa vive fazendo montagens e é exímia conhecedora de memes, como já demonstrou em outra edição do geração selfie.
Maria Clara se diz favorável à legalização da maconha. Para a jovem, a questão deveria ser tratada na esfera da saúde, e não como um assunto da esfera criminal. "Se fosse regulamentado [o uso de maconha], a violência seria diminuída", afirma ela.
VITOR K., 18 ANOS
O estudante Vitor Katsuki vive em Cotia com os pais, um empresário e uma cabelereira. Filho único, ele cursa o terceiro ano do ensino médio e pretende estudar produção fonográfica. Vitor é apaixonado por música e toca violão, guitarra e baixo. O adolescente tem uma banda com amigos.
Vitor diz que não fuma maconha e, pela educação que recebeu dos pais, não usaria a droga e não é a favor da legalização para qualquer uso. "Sou a favor para fins medicinais", explicou ele. Segundo o jovem, seu primeiro contato com maconha foi na rua, quando passou por um grupo de pessoas e sentiu um cheiro que ele descreve como "vegetação sendo queimada". "Já me falaram como era...'ah, tô sentindo cheiro de maconha', e ficou na minha cabeça", disse.
Autoria/Comentários: Elane F. De Souza OAB-CE 27.340-B
Foto/Créditos: institutodacannabis. Com